Histórias Machistas Para Crianças

Acredito que alguns vocês conheçam a história popular, um tanto machista, de Maria Angula. Para aquelas que não conhecem, vou resumir: Maria era uma menina que não gostava de arrumar a casa e cozinhar. Ela cresceu e se casou, mas seu marido todos os dias lhe pedia um prato diferente. Como ela não sabia cozinhar, ela perturbava uma vizinha para lhe ensinar receitas. Um dia a vizinha irritada deu uma receita bem estranhara para maria ‘ Maria, vá ao cemitério, abra a barriga do defunto, pegue as tripas e sirva as tripas ao seu marido’. Assim Maria fez. Porém de madrugada o morto voltou pra buscar suas tripas e maria nunca mais foi vista.

Bom… Minha mãe, minha vó, minha biza devem ter ouvido a história de Maria Angula, essa história era contada pra que elas tivessem medo de não  saber cozinhar, arrumar a casa e cuidar dos seus maridos. Enfim, essa história popular nasceu para submeter a mulher ao nível de escrava submissa do seu marido.

Quando recebi essa história, confesso, fiquei fascinado! Mas eu não podia contar uma história tão machista para crianças e tão pouco modificar a estrutura do conto fazendo de Maria uma menina boa, assim eu estaria modificando a essência do conto. Conversei com uma amiga contadora de história ( Thaiane Leal ) e chegamos a uma conclusão, vamos mudar o GÊNERO de MARIA ANGULA!  Maria Angula saiu de cena e entrou Mario Angu. A estrutura do conto se manteve, Mario Angu era um menino que só queria saber de jogar video game, não ajudava a mãe a cozinhar e não sabia nem arrumar a cama. Mario Angu cresceu, se casou com uma moça bem bonita, só que a mulher, assim que engravidou, tinha desejos esquisitos e Mario Angu nada sabia preparar e bei bei bei…13403264_1085418681529503_83125600614965881_o[1]

Sabe, essa mudança do sexo da Maria Angula fez muito mais sentido! Meninos, ainda, são protegidos por suas mães e pais para não fazerem deveres do lar. Os pequenos ainda acreditam que isso é coisa de MULHERZINHA. Só que ser MULHERZINHA na nossa sociedade é ser MUITO MACHO, pois só as MULHERZINHAS sabem o quanto é difícil ser mulher, cozinhar, cuidar do filho, do marido, da casa e muitas vezes SOZINHA!

Uma vez uma amiga disse algo mais ou menos assim ‘eu amo contar chapeuzinho vermelho, mas essa história mostra como as meninas devem temer um homem estranho. Eu não quero mais contar histórias onde a menina tem que ter medo. Eu quero contar histórias onde homens aprendam a dar flores pra mulheres!’

Mario Angu foi estreado nas sessões de histórias da Bienal do Livro de Cachoeiro de Itapemirim (ES). E eu, eu voltei pra casa com o coração preenchido e a alma leve!

Leandro Pedro tem 24 anos, morador da comunidade do Turano/RJ, fundador da produtora Leandro’s e Sócio-fundador do grupo de contadores de histórias Ih, Contei! Desde 2004, é ator e contador de histórias e realiza sessões e oficinas de contação de histórias pelo Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *